Batalhão de Fronteira quadruplica apreensão de material contrabandeado e apreende mais de 41 toneladas de drogas em 2021
31/01/2022 - 16:58

O Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), unidade especializada da Polícia Militar responsável por atuar no combate à criminalidade em toda a região fronteiriça do Paraná divulgou, nesta segunda-feira (31/01), o balanço de atividades da unidade. Apenas no ano passado, foram recolhidos 16,6 mil volumes de contrabando, 41,4 toneladas de drogas e quase três milhões de pacotes de cigarros em situação ilegal.

De acordo com o Comandante do BPFron, tenente-coronel André Dorecki, além de conduzir ações próprias para coibir a criminalidade na fronteira, o batalhão também é responsável por prestar o apoio e trabalhar integrado às demais forças de segurança que atuam na região, sejam estaduais, municipais ou federais.

“Além de trabalharmos em conjunto com as demais unidades da Polícia Militar que agem nos municípios fronteiriços, também atuamos de forma integrada com a Polícia Civil, com a Polícia Federal e Rodoviária Federal, com a própria Receita Federal, como órgão fiscalizador, com o Exército Brasileiro e até mesmo com polícias de outros estados e países vizinhos. O objetivo disso é utilizarmos de todas as ferramentas disponíveis, para impedir que o crime entre no país, o que até o momento tem dado bons resultados”, explica o comandante.

A apreensão de contrabando (matérias eletrônicos e outros produtos) pelo BPFron em 2021 quase quadruplicou se comparada com o ano anterior, isto é, no ano passado, foram apreendidos 16.669 volumes de materiais, enquanto em 2020 o número foi de 4.248. A apreensão de cigarros contrabandeados, entretanto, diminuiu. Em 2021, foram apreendidos 2,9 milhões de pacotes enquanto que, em 2020, o número foi de 3,4 milhões.

O trabalho contínuo do batalhão também retirou de circulação 149 armas de fogo ilegais em 2021, junto às mais de 2,2 mil munições, enquanto que, em 2020, foram 81 armas de fogo apreendidas, e um pouco mais da metade da apreensão de munições do ano passado (1.433 unidades). “O recolhimento destes armamentos incide diretamente na redução de outros índices de criminalidade, como roubos e homicídios, auxiliando, assim, na inibição de crimes futuros”, ressalta o comandante.

A apreensão de drogas na região de fronteira também aumentou. Em 2021, foram recolhidas 41,4 toneladas de entorpecentes, ou seja, 11% a mais do que em 2020, com 37 toneladas apreendidas. “Isso mostra que grande parte da droga apreendida no Estado foi localizada aqui na área de fronteira, ou seja, impedimos a circulação deste ilícito em nosso estado ou em outros do Brasil”, afirma o tenente-coronel Dorecki.

HÓRUS – Desde 2019, de acordo com o tenente-coronel Dorecki o BPFron também atua como um dos líderes em apreensões pela Operação Hórus, desencadeada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). 2021 também foi o ano onde a maior apreensão de maconha da história do batalhão ocorreu, na qual 12,7 toneladas de maconha foram apreendidas de uma só vez. A ocorrência foi em janeiro do ano passado, em Toledo, e resultou, além da apreensão da droga, no recolhimento do caminhão que a levava e na prisão de cinco homens.

O balanço das ações do BPFron em 2021 também aponta redução na apreensão de agrotóxicos ilegais tendo em vista que, no ano passado, foram apreendidas 4.521 unidades e, em 2020, 8.964 (quase 50% a menos). Já o número de veículos recolhidos ao pátio por irregularidades, uso para o crime ou pendências, aumentou em 25%. Em 2021 foram 78 e, em 2020, 62.

“As apreensões de contrabando, agrotóxicos e drogas em geral também refletem na apreensão de veículos com pendências administrativas ou simplesmente ilegais, dado que, em alguns casos, eles estão interligados com crimes que envolvem o transporte de ilegalidades ao país”, conta o tenente-coronel.

“Devemos lembrar, ainda, dos resultados que não são mensuráveis, como o número de crimes que foram evitados simplesmente pela presença policial nos locais de atuação”, finaliza o tenente-coronel Dorecki ao relatar sobre a prevenção feita com a presenças das equipes na região.

COBRA – Ao longo do ano, o batalhão também contou com ações constantes do Corpo de Operação de Busca e Repressão Aquática (COBRA), pelotão especializado no combate aos crimes incidentes nos rios e lagos que na região da fronteira. O grupo monitora cerca de 300 portos clandestinos (atracadouros improvisados utilizados pela criminalidade para carregar ou descarregar contrabando, drogas e armas) que ficam espalhados pelas margens do Rio Paraná e do Lago de Itaipu, o que reflete, também, na apreensão das ilegalidades que tentam entrar pela água, mas acabam barradas pelas equipes.

DIVISAS INTEGRADAS – Em 2021 também foi desencadeada a megaoperação Fronteiras e Divisas Integradas, que uniu esforços das secretarias da Segurança Pública do Paraná, de São Paulo, do Mato Grosso do Sul, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, além de órgãos federais e municipais. Com isso, o BPFron, que já presta apoio às demais forças que atuam na faixa de fronteira, serviu como base para três das seis etapas da operação.

Como resultado das seis etapas da operação nos estados juntos, mais de 2,7 mil pessoas foram presas, quase 56 toneladas de drogas apreendidas e 2,8 milhões de maços de cigarro recolhidos.

GALERIA DE IMAGENS